Quarentonas

Corrimento e Secreção Vaginal são a mesma coisa?

Como são muito semelhantes na forma em que se manifestam, muitas mulheres não compreendem a diferença entre corrimento e secreção vaginal, mas fique tranquila, nós vamos te explicar as características que diferem ambos:

Secreção Vaginal

na relação sexual, aparece para a lubrificação regional;

é comum aparecer no período pré-ovulatório;

na ovulação, tem aspecto e cor de clara de ovo;

geralmente não possuem cor ou a coloração é branca em tom bem claro;

não coça, arde e nem dói.

Corrimento

aponta uma infecção vaginal;

coça e arde;

possui variação de cor e textura, podendo ser branco, amarelo, marrom ou verde;

pode desencadear uma infecção no colo do útero e até mesmo comprometer os ovários e as tubas uterinas.

Principais doenças que causam corrimento

Candidíase: pode aparecer devido ao contato sexual, objetos ou roupas contaminados e imunidade baixa, geralmente com coloração esbranquiçada.

Tricomoníase: é uma DST, que geralmente apresenta corrimento verde ou cinza, e causa coceira.

Gardnerella vaginalis: é uma bactéria já encontrada no organismo, para proteção vaginal, porém, em desequilíbrio acaba substituindo outras bactérias protetoras, desencadeando vaginose bacteriana. Possui cheiro forte e sensação de incômodo.

Como prevenir ou tratar corretamente o corrimento?

Hábitos simples podem prevenir o corrimento, veja abaixo quais são eles:

dormir sem roupa íntima. A região vaginal fica mais arejada, dificultando o desenvolvimento de infecções;

evitar roupas apertadas;

não utilizar absorventes diários, pois eles abafam a região vaginal;

usar preservativos;

trocar os absorventes com frequência no período menstrual para evitar o acúmulo de bactérias.

Gostou das dicas? Saiba mais sobre a saúde feminina no blog Saudável e Feliz, e conheça o aliado da mulher na menopausa, o suplemento natural Active Woman Plus, que possui em sua fórmula nutrientes essenciais (Óleo de Prímula, Óleo de Linhaça e Gérmen de Soja, além dos Ômegas 3 e 6). Até a próxima leitura!

Veja mais – Sepse: a infecção generalizada

Comments

comments